Como a forma de digitar revela a sua identidade

Homens teclam mais rápido que mulheres e também pressionam teclas por menos tempo

“Diga-me como digitas e te direi quem és.” Pode parecer surpreendente, mas cada pessoa tem uma forma pessoal de digitar em um teclado.

É possível, portanto, identificar quem está se escondendo atrás de uma tela de computador pela forma como as teclas são apertadas.

A técnica nada mais é do que a aplicação da grafologia (estudo que utiliza a análise da escrita para deduzir traços de personalidade) na era do teclado.

Entre outras características analisadas, estão o tempo durante o qual apertamos cada tecla e o intervalo entre o momento em que apertamos uma tecla e a seguinte.

Na 2ª Guerra Mundial, serviços de inteligência militar já identificavam indíviduos pela forma como teclavam mensagens em código morse, o que lhes permitia distinguir aliados de inimigos.

A realidade atual é diferente, mas em meio às discussões sobre a segurança da internet, tais técnicas de reconhecimento estão se tornando cada vez mais importantes.

Tecnologia militar

Uma das aplicações do estudo da dinâmica de digitação é minimizar o risco de roubo de contas no mundo virtual.

“Um software que analise a forma de teclar de uma pessoa reduz em até 94% a possibilidade de alguém sequestrar uma conta na internet, mesmo se souber a senha”, explica à BBC Mundo, o serviço em espanhol da BBC, Christophe Rosenberg, pesquisador da Escola Nacional Superior de Engenheiros de Caen (França) e especialista na área.

A tecnologia já é usada em submarinos, diz um especialista.

A vantagem é que tem “custo muito baixo” e não exige que o usuário baixe qualquer programa, pois pode ser inserida nas páginas web, diz Rosenberg.

A tecnologia “já é utilizada”, diz Rosenberg, por exemplo, “para monitorar o lançamento do míssil submarino”.

Homem ou mulher?

Se por um lado, estes conhecimentos poderiam garantir a segurança na internet, por outro, permite também construir um perfil do usuário do outro lado da tela.

Por exemplo, homens e mulheres teclam de forma diferente.

Segundo especialistas, homens digitam “mais rapidamente” e pressionam cada tecla durante menos tempo do que as mulheres.

Rosenberg afirma que ele e sua equipe de pesquisadores precisam de apenas cinco frases para adivinhar o gênero de quem escreve com uma probabilidade de acerto de 80%.

Também é possível deduzir a idade do usuário ou se é destro ou canhoto.

O especialista diz acreditar que, em cinco anos, já será possível descobrir até o estado emocional de uma pessoa pela forma como ela escreve.

Segurança

Embora o objetivo da técnica seja aumentar a segurança na internet, algumas pessoas demonstram preocupação sobre os riscos de invasão de privacidade.

Recentemente, Paul Moore, consultor em segurança da informação, escreveu em seu site que o roubo de um perfil biométrico traria consequências “muito mais amplas e difíceis de mitigar” do que a simples descoberta de uma senha.

“Você não pode mudar a maneira como você tecla e mesmo se fizesse isso, seu perfil voltará a ser roubado”.

“Fala-se que bancos do Reino Unido estão realizando testes para detectar e minimizar o risco de fraude. Mas será que eles vão te informar sobre isso?”

Fonte: http://tecnologia.uol.com.br/